Após 30 anos, retornamos ao caminho colorido

33 anos depois de sua invenção, o estilo Memphis volta a estar em evidência. Conheça sua história, características e influência nos dias de hoje.

Com toda certeza você já se deparou com projetos, produtos, estampas, decorações ou até embalagens que utilizem o estilo Memphis. Você pode até não saber exatamente o que ela é, mas já entrou em contato com o movimento artístico em algum momento da vida.

O Memphis é um estilo criado por um grupo italiano de designers e arquitetos em 1981. Eles criavam móveis, tecidos, cerâmicas, vidros e objetos metálicos com estética pós-moderna nos anos 80. Certo dia, estes empresários estavam reunidos. Rádio ligado, reunião de trabalho, ideias transformadoras compartilhadas por todos. Ali, nascia um dos movimentos artísticos mais originais de todos os tempos.

Não contentes com a doutrina inteligente de “bom gosto” ensinada pela escola de Bauhaus, procuravam soluções em experimentos dentro de materiais não convencionais: formas históricas, motivos kitsch e cores turvas.

Ao inspirar-se nos movimentos Pop Art e Art Deco, o Memphis começou a ser formado englobando também da estética do kitsch dos anos 50, até estilo futurista dos anos 70. Foi caracterizado pelo efêmero design, cores vibrantes em contraste com o preto, decoração colorida, plástico em móveis, formas assimétricas e geométricas dispostas aleatoriamente, além de estampas que imitavam a pele de leopardo.

Após sua estreia em 1981, o estilo roubou a cena no início da década. Com a exposição das peças em revistas de todo mundo, rapidamente ganhou espaço para exibir-se mundialmente: Londres, Milão, Nova Iorque, São Francisco, Los Angeles e Tóquio. A repercussão, porém, foi negativa. O mobiliário colorido do grupo foi descrito de imediato como “bizarro”, “detestado” e “um casamento entre o Bauhaus e a Fisher-Price”, logo, “incompreendido”.

Contudo, o Memphis foi um divisor de águas. Ele deveria criar uma ruptura nos rígidos desenhos, dar personalidade ao que antes era sem alma. Então, nos anos 90 o estilo se populariza e é amplamente aceito dentro da arquitetura, design de móveis e itens domésticos.

O movimento durou pouco, mas o impacto Memphis foi e ainda é muito forte. Após a morte de Sottsass em 2007, ele ressurge através de uma série de exposições e artigos sobre pós-modernismo e design em 80, ganhando força e voltando a posição de “evidência” aos poucos. Passou a estar presente em coleções de moda, foi referência para projetos de ambientes de artistas renomados como Karl Lagerfeld (Designer de moda) e David Bowie (Cantor e Compositor) até chegar novamente as grandes salas de feiras de design. Em 2013-2014, Natalie Du Pasquier inspirou-se estilo e criou estampas ousadas para marcas conhecidas no ramo da moda.

O que antes era tratado como filosofia e maneira de trabalhar, hoje é referência. Os designers adaptam o estilo e acrescentam novas cores, geometrias ou padrões para criar interações contemporâneas.

Aos decoradores e designers: a próxima tendência tem variadas cores e formas e longínqua história. Uma geração de 80’ se levanta a fim de inspirar, criar, colorir e modernizar. Vai ficar de fora?